Cada vez mais as empresas abrem a sua cultura corporativa para as individualidades dos trabalhadores. A flexibilização do dress code, regimes de home office e uso de redes sociais para a comunicação são algumas das manifestações de que, ao abraçar a subjetividade dos colaboradores, os ambientes empresariais tornam-se mais diversos, flexíveis e atraentes.

Por isso, as viagens corporativas também abraçaram essas tendências, abrindo brechas para o bleisure, união dos conceitos de negócios e lazer (“business” e “leisure”, em inglês). 

O bleisure vai além de combinar negócios e lazer. Ao estendermos uma visita a negócios para que o colaborador possa fazer um passeio com amigos e familiares, proporcionamos oportunidades para que os profissionais aprimorem o equilíbrio entre vida e trabalho, conheçam novos lugares e culturas e transformem seus vínculos com a empresa.

Um estudo realizado pela BridgeStreet Global Hospitality apontou que, entre os entrevistados, 80% gostariam de realizar ou já realizaram esse tipo de viagem, enquanto 78% declararam que a união de lazer e negócios agrega valor às tarefas profissionais.

Esse mesmo estudo apontou que a maior parte das atividades realizadas durante as viagens de bleisure se relacionam ao turismo, às artes, cultura e alimentação. Ou seja, essas atividades também são uma excelente oportunidade de trazer ganhos intelectuais e culturais para seus colaboradores. 

Nos últimos anos, 20% dos viajantes a negócios já fizeram uma viagem bleisure, sendo que 7% das que foram a negócios envolvem o conceito bleisure, como aponta este estudo também divulgado pela Skift.

Para abraçar essa tendência e tornar suas viagens corporativas mais prazerosas e produtivas, confira o que nós preparamos para você a seguir! 

1. Afinal, o que é bleisure?

O bleisure reúne os conceitos de business (negócios) e leisure (lazer), trazendo experiências diferenciadas para quem trabalha fora do escritório-sede da empresa. Além de ser um grande atrativo para os colaboradores, proporcionando experiências marcantes, essa tendência também traz melhores resultados para a empresa, como veremos adiante. 

Nas viagens de bleisure, seus colaboradores cumprem as tarefas profissionais normalmente, como fariam em uma viagem de negócios tradicional, para manter os níveis de produtividade da empresa. A diferença, contudo, está no fim do deslocamento, pois seu time pode estender a jornada por alguns dias para se dedicar ao turismo e ao lazer. 

Essa tendência tem trazido resultados positivos e entusiasmado colaboradores em todo o mundo. Segundo o The Bleisure Report 2014, realizado pela Bridge Street Global Hospitality e divulgado pela agência Skift:

  • 73% dos entrevistados afirmavam que esse estilo de viagem representaria um benefício extra;
  • dos que já tiveram a experiência, 78% dos funcionários declararam se sentirem mais recompensados, mais engajados e contentes com o trabalho;
  • 79% afirmavam que a combinação de trabalho e lazer colabora com o rendimento profissional durante a viagem.

Essa mesma pesquisa deu alguns apontamentos sobre como algumas empresas têm incorporado o bleisure em suas práticas de viagens corporativas. 60% dos entrevistados afirmaram que, normalmente, são acrescentados 2 dias de folga à viagem de negócios.

A presença de um acompanhante nas viagens de bleisure ainda é uma tendência crescente. Cerca de 55% dos funcionários que participaram da pesquisa disseram que já tiveram a companhia de alguém da família nesse tipo de atividade.

O estudo Phocuswright: Global Travel Market Research Company, disponível no site da Phocuswright, também trouxe alguns dados relevantes para entendermos o bleisure no mundo corporativo:

  • cerca de 64% dos colaboradores que viajam a negócio incluem uma extensão livre em suas viagens;
  • a extensão da viagem é de 4 dias, na média;
  • do público que estende as viagens a negócios, pelo menos 60% o fazem na companhia de alguém.

2. Quais as vantagens dessa tendência?

O bleisure traz uma série de benefícios para as empresas, gerando motivação para bater metas e melhorando significativamente a produtividade e os resultados das negociações. 

2.1. Otimizar o tempo de viagem

No bleisure, o colaborador tem a opção de estender a viagem por alguns dias para aproveitar o caráter turístico do destino. Assim, ele aproveita que a maior parte das despesas sejam pagas pela empresa e consegue fazer um bom passeio apenas arcando com os valores das diárias a mais e com as despesas feitas nos dias de lazer (leisure). 

Motivado pelos dias de lazer, o colaborador pode otimizar o tempo que aplicaria para os negócios. Isso torna a viagem mais produtiva e mais curta para a empresa.

2.2. Motivação para o trabalho

Conhecer novos lugares e ter um emprego que oferece uma rotina diversificada motiva muitos profissionais, mas deslocar-se com muita frequência pode ser muito desgastante, especialmente para os colaboradores que são casados ou têm filhos. Nesse sentido, o bleisure ajuda a motivar seus funcionários que precisam se deslocar com maior frequência, pois além de fazer negócios, eles também podem descansar e aproveitar o destino. 

Algumas empresas incluem a possibilidade de levar a família em viagens de bleisure, de forma que os colaboradores precisem arcar apenas com os gastos extras. Dessa forma, especialmente para aqueles que têm filhos pequenos, as jornadas a trabalhos não precisam representar uma preocupação.

O conforto do colaborador também é uma vantagem especial das viagens nas quais ele pode levar a família. Assim, ele não se sente tão deslocado ou inibido em um destino desconhecido. 

Vale citar também que a relação da família do colaborador com a empresa se transforma, pois ele tem a chance de proporcionar boas experiências aos seus familiares. 

2.3. Permitir momentos de descanso

Todos passamos por um momento da carreira em que nos sentimos completamente desmotivados a levantar da cama para ter mais um dia de trabalho. Contudo, quando esse fenômeno acontece com muita frequência e os sintomas evoluem para um estresse e exaustão física total, pode ser que o colaborador em questão esteja sofrendo um burnout.

Essa doença já atinge 32% dos profissionais brasileiros, segundo uma pesquisa da Associação Internacional de Gestão de Estresse, divulgada na HSM. Vale lembrar que, no mundo, problemas associados à saúde mental no trabalho resultam na perda de US$ 1 trilhão ao ano, como apontam dados da OMS divulgados no mesmo portal. Ou seja, zelar pelo descanso e pela saúde dos funcionários também é cuidar da manutenção de um ambiente de trabalho produtivo e rentável.

As viagens de bleisure são um ótimo recurso para proporcionar bem-estar aos seus funcionários, já que elas proporcionam momentos de lazer. Além disso, em contato com novas culturas, os colaboradores têm a chance de sair da rotina de trabalho, ter novas perspectivas e desenvolver uma mentalidade mais inovadora. O lazer é essencial para oxigenar as ideias em sua empresa!

2.4. Conhecer novos lugares e culturas

Nas viagens de bleisure, os colaboradores têm a chance de entrar em contato com novos lugares e culturas. Isso não só proporciona experiências gratificantes como aprimora o capital intelectual de suas equipes. Afinal, quando saímos da nossa zona de conforto, transformamos a nossa perspectiva e nos mostramos mais abertos a adquirir novos conhecimentos. 

Ao conhecer novos lugares e culturas, seus colaboradores também se mostrarão mais aptos para políticas de diversidade e a novas perspectivas. Esses são ingredientes fundamentais para inovar em uma economia globalizada e que valoriza, cada vez mais, empresas e instituições que fomentem políticas de inclusão e sustentabilidade. 

2.5. Reduzir custos

Como mostramos, as viagens de bleisure podem proporcionar experiências gratificantes aos seus funcionários, reduzindo a incidência de casos de estresse e exaustão em ambiente de trabalho. No Brasil, a depressão nos faz perder cerca de US$ 63,3 bilhões anualmente, como aponta o estudo da OMS também divulgado pela HSM. Isso nos situa no segundo lugar no ranking em que o estresse no trabalho é considerado problema de saúde pública, perdendo apenas para os Estados Unidos. 

2.6. Aprimorar o networking

Alguns colaboradores aproveitam o tempo extra em outros destinos para se capacitar e melhorar os laços profissionais. Afinal, por mais que as reuniões a negócios, feiras e palestras proporcionem encontros profissionais, muitas vezes, elas não são suficientes para uma boa conversa. As viagens de bleisure são ideais para fomentar o networking e proporcionar novas oportunidades de negócios e parcerias para sua empresa.

2.7. Reduzir os impactos do jet lag no trabalho

Após horas de voo, muitos colaboradores sentem necessidade de tirar alguns dias de folga para se recuperar dos efeitos do jet lag ou “descompensação horária”, que também pode prejudicar o desempenho nos negócios. Por isso, com alguns dias extras, ele pode evitar que enjoos, fadiga, insônia e irritação atrapalhem as negociações e as experiências da viagem. 

Nesse sentido, especialmente para viagens longas, é importante que a sua empresa ofereça orientações ao colaborador e dê alguns dias de folga antes dos compromissos de negócios para que o organismo dele possa se restabelecer. Assim:

  • instrua-o a evitar bebidas alcoólicas e energéticos;
  • a se hidratar e comer alimentos mais leves; 
  • para viagens curtas, mas distantes, oriente os seus colaboradores a manter os costumes que cultivam no mesmo horário em casa.

Dessa forma, o colaborador potencializa os resultados financeiros e terá energia suficiente para aproveitar os momentos de lazer.

3. Como aproveitar uma bleisure da melhor forma?

O bleisure é uma forte tendência no mundo corporativo, representando inovação, bem-estar para os colaboradores e um ambiente de trabalho mais motivador. Mas como tirar o máximo das viagens? Confira as nossas dicas! 

3.1. Alinhe-se à política de viagens

Uma viagem de bleisure pode incluir uma série de experiências para o colaborador. Contudo, para que elas se alinhem aos valores da sua empresa e para que as atrações funcionem bem, é preciso que você siga a sua política de viagens no planejamento. Dessa forma, você reduz o número de conflitos e esclarece quais despesas serão cobertas por sua empresa e quais não. 

Além de dar esclarecimentos sobre as despesas, a política de viagens também estabelece prazos possíveis para a extensão da atividade, estabelece diretrizes para as bleisure trips e viagens tradicionais, e, mais importante, traz dicas de conduta para que os colaboradores possam zelar pela reputação da sua marca. Afinal, até mesmo nos momentos de lazer, os colaboradores carregam o nome de sua empresa. 

3.2. Planejar a viagem

As viagens de bleisure precisam garantir que os objetivos dos negócios sejam cumpridos e que o colaborador tenha tempo suficiente para aproveitar o destino a lazer. Por isso, o planejamento é uma etapa essencial desse tipo de jornada. 

Assim como o fazemos para as jornadas corporativas tradicionais, as viagens de bleisure também precisam de um calendário para que o setor responsável se organize e possa se programar com antecedência.

Isso também permite que viajante e organizadores analisem cuidadosamente os destinos e compromissos, de modo que todos se preparem para evitar embaraços causados por choques culturais e planejem atividades adequadas. Isso também um estudo sobre os trajes adequados, as refeições (caso o colaborador tenha restrições alimentares), idiomas, entre outros aspectos. 

Em seu calendário, considere ocasiões como feiras de negócios e datas importantes para o seu setor. Verifique também os feriados e quais podem interferir nas programações pessoais de seus funcionários.

Como os gastos da viagem a trabalho são custeados pela empresa e os dos dias de descanso são de responsabilidade do colaborador, é preciso que esse planejamento inclua também uma etapa de organização financeira. Procure informações sobre o roaming de dados, a moeda local e quais são os compromissos prioritários. 

Quanto maior a antecedência, melhores são os preços. A parceria com hotéis, companhias de transporte e agências especializadas também é essencial para essa etapa, como veremos no tópico 3.7.

Além da antecedência para obtenção de descontos, também é importante considerar a preparação de documentos. Exames médicos e passaporte precisam estar em dia. Verifique quais são as vacinas exigidas para o destino, se o seguro viagem oferece os requisitos necessários e se o colaborador está fisicamente preparado para aproveitar o melhor da jornada. 

3.3. Fazer a mala

Na mala, é importante que o colaborador considere peças que estejam de acordo com o dress code da sua empresa, deixando as peças mais casuais e despojadas para os momentos de lazer. As normas de dress code podem ser esclarecidas na política de viagens da empresa, de modo que o funcionário possa consultar essas informações com facilidade. 

Vale prestar atenção às regras de franquia para despacho de bagagens aprovadas em 2018. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), as medidas da bagagem de mão são de 35 cm de largura, 55 cm de altura e 25 cm de profundidade, pesando até 10 kg. As que estiverem acima do tamanho padrão devem ser despachadas. Os valores para despachar variam de acordo com a companhia aérea, mas partem de R$ 59.  

É também importante que a sua empresa esteja preparada para amparar o colaborador caso a mala seja extraviada. Apesar de as companhias já terem sistemas de rastreamento de bagagem modernos, capazes de auxiliar na recuperação rápida, é importante que você ofereça auxílio imediato para quem os negócios e o lazer não sejam prejudicados por esses episódios. 

3.4. Reservar a hospedagem

Deixar para comprar passagens de avião e reservar o hotel para última hora é receita para pagar mais caro. Para não passar por esse estresse em seu planejamento, organize o seu calendário para também comprar as passagens e a hospedagem com um prazo satisfatório. 

Para tornar o cotidiano de seus colaboradores mais prático, é interessante que você faça parcerias com redes de hotéis ou com agências online que tenham esse tipo de serviço. Essas empresas oferecem o suporte para que a sua empresa possa fazer um planejamento efetivo, de acordo com a política de viagens. Assim, elas promovem o contato com empresas parceiras, otimizando o seu tempo de planejamento.

Com esse tipo de serviço, realizar as hospedagens fica mais fácil, e os colaboradores ficarão familiarizados com as políticas de cada hotel para viagens tradicionais de negócios e bleisure. 

3.5. Comprar as passagens

Para comprar suas passagens aéreas por melhores preços, confira nossas dicas rápidas abaixo: 

  • procure reservar suas passagens com, no mínimo, três semanas de antecedência;
  • em trechos nacionais, você pode considerar uma antecedência de 30 dias, em baixa temporada, para comprar suas passagens. Em alta temporada, procure comprar seus bilhetes com 60 dias de antecedência;
  • para viagens ao exterior, compre a passagem com até 60 dias de antecedência, durante a baixa temporada, e com até 120 dias, em alta temporada;
  • use plataformas de self-booking para encontrar passagens mais acessíveis;
  • as passagens adquiridas nos fins de semana podem gerar uma economia de até 20%;
  • fique atento(a) às ofertas de sextas-feiras para os hotéis;
  • procure iniciar suas viagens na quinta ou sexta-feira;
  • ao adicionar a noite de sábado em sua viagem, você pode economizar até 25% nas passagens aéreas. Em destinos populares para negócios, o desconto costuma ser maior.

3.6. Criar um roteiro de lazer

Para que seus colaboradores aproveitem o destino a lazer, é interessante que sua empresa tenha a sugestão de um roteiro. Afinal, nem todos os colaboradores estão preparados para aproveitar as melhores opções turísticas de um destino. 

Em parceria com uma agência de viagens, você pode criar um roteiro alinhado aos valores de sua empresa. Tenha em mente, contudo, que o tempo destinado ao lazer deve ser de usufruto do colaborador, de modo que esse tempo extra não se torne também mais um cronograma de negócios a ser cumprido. Assim, é interessante que o colaborador enxergue esse roteiro de lazer como uma opção e um amparo para as experiências dele, mas que ele também tenha flexibilidade para fazer o que desejar — desde que ele siga as normas de conduta da sua empresa. 

3.7. Controlar os gastos

Sem grandes custos, as viagens de bleisure permitem que as empresas, com uma pequena adaptação, proporcionem experiências gratificantes aos colaboradores, deixando-os mais engajados com o trabalho. Isso não significa, contudo, que a sua empresa não precise fazer um controle de gastos.

Prepare os seus colaboradores, conscientizando-os da importância da otimização de gastos para que a empresa continue a crescer. É importante que ele tenha responsabilidade também nesse processo, pois apesar de o acompanhamento de gastos ser facilitado com o uso de cartão de crédito e sistemas de gestão, o funcionário também precisa ter autonomia para fazer boas escolhas sem prejudicar a própria experiência.

Para economizar no deslocamento, o funcionário pode utilizar o transporte público ou utilizar aplicativos de viagens. Ofereça instruções para que seu colaborador não passe por maus bocados tentando se deslocar a lazer. Você pode, por exemplo, levantar informações para que ele se desloque até os principais pontos turísticos do destino utilizando o metrô ou ônibus. 

Na plataforma da etrip, gestores e funcionários podem verificar quais são as alternativas de hotéis, tarifas aéreas e transporte mais vantajosas para ambos. O mesmo app também possibilita o fechamento de pacotes por meio do sistema de self booking, no qual o funcionário faça a cotação e faça as próprias compras de viagem. Guiado por uma política de viagens esclarecida e com autonomia, ele pode inclusive colaborar com a redução de gastos em sua empresa. 

Para a otimização de custos, algumas empresas criam políticas de premiação. Quando o colaborador economiza nas viagens corporativas, seja nas tradicionais ou bleisure, ele pode ganhar dias de folga, por exemplo.

Como dissemos, é essencial que a política de viagens corporativas da sua empresa também ofereça esclarecimentos quanto aos gastos. Em geral, as empresas deixam as despesas dos dias de lazer a encargo dos colaboradores, o que os exime de guardar notas fiscais ou utilizar o cartão de crédito corporativo nesse período. A sua empresa pode cuidar das principais despesas, deixando as diárias a mais e despesas extras (como compras e transporte) para o colaborador, por exemplo. 

Com a globalização crescente dos negócios e da tecnologia, a linha tênue entre viagens de negócios e lazer se desfaz ainda mais. Não há mais motivo para o viajante a negócios ter que sacrificar o lazer para ter sucesso em seus negócios.

Nesse sentido, as bleisure trips podem revolucionar as viagens de negócios em sua empresa, pois proporcionam experiências diferenciadas aos seus colaboradores, colaborando com viagens mais produtivas e satisfatórias. 

Se você gostou deste artigo e quer mais dicas para proporcionar bem-estar e experiências motivadoras aos seus colaboradores, elevando a qualidade dos seus negócios e a produtividade das suas viagens corporativas, assine a nossa newsletter. Com ela, você receberá dicas imperdíveis em sua caixa de entrada. Prepare-se para fazer seus resultados voarem cada vez mais alto! 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *