Comprar passagem barata é o objetivo de qualquer viajante frequente. Quando se trata de deslocamentos de negócios, essa necessidade costuma ser ainda maior para fazer valer os investimentos realizados. Dessa maneira, você deve colocar algumas dicas importantes em prática que fazem muita diferença nas pesquisas.

Isso mesmo! São medidas simples e eficientes, mas responsáveis por abrir um verdadeiro universo de possibilidades na hora de agendar compromissos corporativos. Ao adotá-las, certamente, será mais fácil aumentar o número de voos e, ainda, ter mais conforto.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, acompanhe a leitura, pois vamos mostrar como comprar passagem barata para a sua viagem corporativa!

Conheça os fatores que influenciam nos preços

Antes de tudo, é necessário compreender o que faz com que os preços das passagens mudem com tanta frequência. Se você faz várias buscas no mesmo dia, por exemplo, pode encontrar um valor de manhã e outro diferente à tarde. Isso acontece porque tudo o que envolve esse mercado costuma ser sazonal.

O dia da semana que tem mais procura, os horários disponíveis, os riscos de atrasos, as oscilações nas moedas estrangeiras e, até mesmo, o número de escalas. Tudo funciona de maneira muito semelhante ao sistema da bolsa de valores que varia conforme o aumento da procura por determinado voo.

As passagens áreas são cobradas além dos custos da viagem. No momento de realizar o pagamento, você também é cobrado por taxas e encargos referentes aos serviços da companhia área e do aeroporto, como manutenção, limpeza, segurança e maquinário interno.

Fique de olho na quantidade de assentos

A quantidade de assentos disponíveis é uma das principais razões que causam as mudanças de preços nas passagens. Além disso, se você fechar e abrir a mesma página em navegadores diferentes já é suficiente para visualizar valores diferentes para o mesmo bilhete.

O excesso de procura pelo mesmo voo faz com que as variações sejam rápidas e, se você hesitar na hora de fazer a compra, perde a oportunidade de garantir uma boa promoção. Por isso, sempre que aparecer o alerta de assentos restantes é importante tomar decisões rápidas.

Compare os preços

Fechar a compra de uma passagem logo de primeira é um forma ingênua de perder dinheiro. Afinal de contas, sem pesquisar com calma os valores em todas as companhias, existe a chance de pagar bem mais caro e perder uma promoção vantajosa. Quando isso acontece com frequência em viagens corporativas, o prejuízo pode ser gigantesco.

O mais importante é começar a pesquisar com o máximo de antecedência possível. Assim, fica mais fácil acessar os sites que comparam todas as opções de passagens por diferentes empresas e até oferecem datas próximas ao dia escolhido para que o consumidor avalie se compensa ir antes ou estender a estadia.

Pesquise nos lugares certos

De nada adianta procurar um destino que está dentro de um planejamento corporativo em um site que venda pacotes de férias, por exemplo. Para alcançar os melhores resultados é fundamental que você saiba onde estão as promoções que mais se encaixam com as suas necessidades.

Faça uma lista com esses sites comparativos e pesquise sobre as ferramentas disponíveis para otimizar as buscas. Além de poder monitorar com mais facilidade os destinos mais procurados, também fica mais simples saber quando realmente o valor está abaixo do cobrado normalmente.

Busque rotas alternativas

Os destinos mais procurados costumam também ter preços altos. Para tentar economizar quando existe a necessidade de visitá-lo frequentemente, o melhor caminho é buscar por rotas alternativas que são menos visadas pelos turistas. Então, no momento de iniciar as buscas, pense em possíveis escalas que facilitam o orçamento.

No entanto, em uma situação como essa, é preciso tomar certos cuidados por se tratar de uma viagem de negócios. Imagine só chegar exausto ao destino depois de passar horas em conexões. Seria extremamente improdutivo, não é mesmo? Por conta disso, dê preferência aos voos longos apenas quando for chegar antes e tiver tempo para descansar.

Cadastre-se para receber as melhores ofertas

Saiba que a sua empresa não é a única que tenta comprar passagem barata para economizar em longo prazo. Por esse motivo, uma boa sugestão é se cadastrar em sites de buscas para receber alertas das melhores ofertas. Hoje em dia, diversos aplicativos e ferramentas usam esse tipo de recurso.

Além disso, use as redes sociais com uma forma de acompanhar várias campanhas ao mesmo tempo e, ainda, se programar antes de surgir uma oferta especial. Outra questão interessante é se cadastrar na newsletter das companhias áreas que sempre enviam novidades para os viajantes frequentes.

Tenha flexibilidade com datas

Os sites de buscas sempre apresentam os preços de vários dias relacionados à data buscada pelo viajante. Muitas vezes, a falta de flexibilidade faz com que seja preciso pagar muito mais caro. Dessa forma, sempre que possível, defina as datas com antecedência para garantir os melhores preços.

Uma condição frequente, por exemplo, é que as passagens para o final do domingo e para as manhãs de segunda-feira costumam ser mais caras. Assim, dê preferência aos voos durante a semana ou pelo domingo de manhã como forma de evitar os horários mais concorridos. À primeira vista, essas pequenas técnicas podem parecer não muito eficientes, mas elas fazem sim muita diferença no bolso.

Limpe cookies do navegador

O seu histórico de pesquisa é uma informação muito valiosa para as companhias áreas por dizer muito sobre o seu interesse. Pouca gente sabe disso, mas as empresas podem usar os cookies presentes no seu navegador para direcionar os preços que aparecem nas pesquisas.

Então, fique de olho e, sempre que abrir muitas abas de pesquisas, limpe as buscas mais recentes ou use a página de navegação anônima. A regra vale também para as pesquisas de hospedagens e outros serviços contratados durante a viagem, como seguros, transportes terrestres ou adicionais da empresa área.

Pronto! Agora você já sabe como comprar passagem barata. O mais importante é se informar com a antecedência e contar com a ajuda de uma companhia especializada em viagens corporativas para direcionar o seu planejamento. Assim é possível economizar no orçamento e aumentar o retorno positivo.

Aproveitou as informações do artigo? Então, compartilhe as informações em suas redes sociais para que seus amigos também consigam economizar!

Sabemos que as relações empresariais são marcadas pelas trocas feitas entre os funcionários e com outras companhias. Isso mostra como as corporações estão abertas a conhecer novas culturas, aprender novas tecnologias e trocar informações. Nesse contexto, o intercâmbio no trabalho é uma das melhores formas de promover esse contato.

Tal prática é muito conhecida por ser feita entre estudantes, mas ela se encaixa perfeitamente no mundo empresarial. O intercâmbio permite que os colaboradores aprendam novas atividades e tragam mais rentabilidade à companhia.

As vantagens são muitas ao fazer esse investimento, pois os benefícios retornarão tanto para as empresas quanto para os colaboradores. Ficou interessado e quer saber mais? Continue lendo nosso texto e conheça mais essa atividade, bem como as suas vantagens.

1. Saiba o que é o intercâmbio empresarial

O intercâmbio, como podemos identificar pelo próprio nome, significa uma troca e uma permuta. Atualmente, essa palavra é mais conhecida como uma experiência de viagem na qual uma pessoa vai a um ambiente com o qual ela não está acostumada para estabelecer relações, aprender e, também, ensinar.

Partindo dessa ideia, sabemos que o intercâmbio empresarial é quando um colaborador vai para outra empresa no exterior, com o objetivo de aprender os seus meios de produção e adquirir mais experiência. Essa prática também pode acontecer quando a sua companhia recebe um colaborador de fora.

2. Conheça as vantagens dessa experiência

Como sabemos, o intercâmbio promove a troca de informações entre as pessoas, e integrar um funcionário de fora ou enviar um de seus colaboradores para esse processo se torna muito vantajoso. Além do aprendizado, você vai identificar outros benefícios, como:

  • conhecer a forma como as empresas do mesmo ramo atuam fora do Brasil;
  • proporcionar novos desafios para quem está viajando para fora;
  • encontrar colaboradores da mesma área e com diferentes qualificações;
  • promover a reflexão sobre novas formas de gerir e fazer a produção na sua empresa;
  • permitir que a empresa fique mais aberta a novas experiências e a um ambiente mais flexível;
  • ter contato com uma nova cultura empresarial;
  • estimular a criatividade entre os colaboradores e a concorrência saudável entre eles.

Percebemos que as vantagens que o intercâmbio no trabalho promove não são somente na questão estrutural da produção, mas também na mudança no clima interno entre os funcionários. Isso estimula todos que tiverem contato com o intercambista a melhorar a sua forma de agir e trabalhar.

3. Determine seus objetivos

Fazer um intercâmbio de trabalho não é somente ir para um lugar com uma cultura diferente e observar o que eles fazem. É preciso identificar quais são os seus objetivos para não perder o foco quando chegar na companhia.

Como esses acontecimentos podem ser de curta duração, não é interessante perder nenhum momento importante do processo. Por isso, antes de ir, saiba quais os motivos que levam você para esse lugar. Se o objetivo é entender como aquela empresa atua no setor de produção, elenque quais são eles. Confira como fazer isso:

  • faça uma reunião com os gestores da empresa para entender o que eles esperam da viagem corporativa;
  • identifique as formas como a sua empresa atua, a fim de fazer uma comparação;
  • entenda como a sua empresa funciona;
  • conheça a rotina dos setores;
  • saiba quais produtos são feitos;
  • conheça a forma como os gestores atuam;
  • anote todas as recomendações dos gestores para não esquecer nenhum detalhe;
  • detecte quais os setores da empresa destino devem ser conhecidos;
  • pesquise sobre essa empresa, seus parceiros e como ela atua.

A intenção de fazer esse panorama antes de embarcar é entender qual a situação da sua empresa e para onde você deve olhar quando estiver viajando. Isso permite que você vá mais preparado e atinja o real objetivo do intercâmbio no trabalho.

É claro que isso é uma pré-produção da viagem e, quando você chegar lá, é possível encontrar muitos aspectos novos e que não estavam no seu planejamento. A dica nessa questão é ficar atento a tudo que for novo.

As mesmas dicas servem para quando a sua empresa receber um visitante. Nesse caso, é importante ficar atento para absorver todas as informações relevantes que ele vai passar para vocês.

4. Trace um plano para a viagem

É importante fazer um planejamento dessa viagem, pois essa organização vai nortear a sua rotina ao longo dos dias. Para isso, saiba quantos dias ficará no destino, para se planejar dentro daquele período.

Se a sua empresa trabalhar com o sistema de self booking, você terá mais liberdade de escolher todo o itinerário da viagem, como a reserva das passagens, os lugares de hospedagem e quais formas de locomoção. Assim, você também consegue se planejar e encaixar todo o planejamento na viagem.

Com toda organização feita, você deve montar o seu plano de visitação na empresa baseado nos objetivos gerais. Se o foco é conhecer todo o funcionamento interno, escolha conhecer um setor por dia ou foque o que for mais interessante. Ao traçar esse plano alinhado aos objetivos, você tem as maiores chances de aproveitar a visita.

5. Faça parte da nova cultura

A cultura empresarial e do país são um conjunto de valores, hábitos, costumes e crenças partilhados pelos seus membros. É esse agrupamento de características que auxiliam os gestores e colaboradores a tomarem decisões e a direcionar as suas ações.

Sabemos que qualquer ambiente diferente do que estamos acostumados pode nos gerar algum tipo de estranhamento. Porém, não podemos ficar assustados com essas dessemelhanças: é necessário observá-las, pois elas contribuem para o crescimento da sua empresa.

Em primeiro momento, é importante enxergar quais são essas diferenças; posteriormente, tente fazer parte dessa nova cultura e absorver esses valores. Assim, você consegue entender como eles funcionam e como empregá-los na sua empresa.

Por exemplo, se a empresa de destino tem o costume de promover cursos, workshops e eventos de integração para as equipes, veja como eles funcionam, saiba se os resultados são positivos e quais as chances de colocar as mesmas estratégias em prática na sua empresa.

Em alguns casos, viagens de incentivo podem ser direcionadas como prêmios para as equipes que atingirem alguns objetivos internos. Essa escolha pode promover a competição saudável e estimular a produção.

6. Agregue conhecimento

Essas viagens não são apenas para você conhecer uma nova empresa, mudar a rotina e passear. Elas são feitas pois os gestores desejam que algumas conclusões e resultados sejam devolvidos ao final da viagem.

A parte de observação do ambiente interno vai desde a forma como a cultura empresarial é abordada até o tipo de tecnologia utilizado pelos colaboradores. As empresas que se destacam no mercado de trabalho só conseguem atingir esse patamar devido à união de vários fatores internos. Confira como observar o ambiente interno:

  • entenda como a empresa investe no desempenho individual e coletivo;
  • identifique quais são os incentivos para melhorar a produção e promover um bom clima interno;
  • veja qual a relação do líder com a cultura empresarial interna e como ela é aplicada;
  • observe qual a tecnologia empregada internamente e quais são os resultados — sendo eles positivos ou negativos;
  • perceba como os objetivos pessoais dos colaboradores estão alinhados com os da sua equipe;
  • faça um relatório de viagem com tudo que você identificou.

O conhecimento não vem apenas ao identificar quais são esses mecanismos que funcionam dentro da empresa. É importante entender como eles funcionam, identificar os resultados, para saber se é possível implantá-los na sua corporação e, além de tudo, agregar todo esse conhecimento.

7. Busque uma agência especializada

Como o intercâmbio corporativo requer que um planejamento seja feito, é importante fazer a contratação de uma agência online para a sua execução. Essa experiência se configura enquanto viagem corporativa, pois o seu objetivo é promover um retorno positivo para a empresa e para o colaborador.

A realização desse programa passa pelos mesmos processos de organização de uma viagem. Você, enquanto colaborador, ficará um período fora e, para isso, é preciso pensar em hospedagem, passagens, transporte e alimentação.

O self booking permite ter toda a liberdade de fazer esse tipo de planejamento, já que o objetivo dessa viagem é aprender com empresas de fora, e você será o principal responsável pela organização do roteiro. Além disso, é possível utilizar o cashback para obter descontos em viagens futuras.

A agência é importante nesses casos, pois é ela quem vai disponibilizar os mecanismos para que isso aconteça, como o auxílio na produção das políticas de viagens corporativas, o contato com as empresas parceiras e a própria experiência de mercado. Contar com esse apoio permite melhor aproveitamento do intercâmbio corporativo.

Promover essa troca entre as empresas por meio dos colaboradores é uma forma de estreitar os laços de parceria entre eles. É importante pensar que as informações que forem coletadas ao longo da viagem podem ser inspirações para mudanças na empresa.

O intercâmbio no trabalho serve como aprendizado para a corporação e permite que a sua cultura interna também seja ensinada para os outros colaboradores.

Gostou do nosso texto e quer saber como promover essa experiência na sua empresa? Entre em contato conosco e fique tire todas as suas dúvidas.

Sabemos que as relações empresariais são marcadas pelas trocas feitas entre os funcionários e com outras companhias. Isso mostra como as corporações estão abertas a conhecer novas culturas, aprender novas tecnologias e trocar informações. Nesse contexto, o intercâmbio no trabalho é uma das melhores formas de promover esse contato.

Tal prática é muito conhecida por ser feita entre estudantes, mas ela se encaixa perfeitamente no mundo empresarial. O intercâmbio permite que os colaboradores aprendam novas atividades e tragam mais rentabilidade à companhia.

As vantagens são muitas ao fazer esse investimento, pois os benefícios retornarão tanto para as empresas quanto para os colaboradores. Ficou interessado e quer saber mais? Continue lendo nosso texto e conheça mais essa atividade, bem como as suas vantagens.

1. Saiba o que é o intercâmbio empresarial

O intercâmbio, como podemos identificar pelo próprio nome, significa uma troca e uma permuta. Atualmente, essa palavra é mais conhecida como uma experiência de viagem na qual uma pessoa vai a um ambiente com o qual ela não está acostumada para estabelecer relações, aprender e, também, ensinar.

Partindo dessa ideia, sabemos que o intercâmbio empresarial é quando um colaborador vai para outra empresa no exterior, com o objetivo de aprender os seus meios de produção e adquirir mais experiência. Essa prática também pode acontecer quando a sua companhia recebe um colaborador de fora.

2. Conheça as vantagens dessa experiência

Como sabemos, o intercâmbio promove a troca de informações entre as pessoas, e integrar um funcionário de fora ou enviar um de seus colaboradores para esse processo se torna muito vantajoso. Além do aprendizado, você vai identificar outros benefícios, como:

  • conhecer a forma como as empresas do mesmo ramo atuam fora do Brasil;
  • proporcionar novos desafios para quem está viajando para fora;
  • encontrar colaboradores da mesma área e com diferentes qualificações;
  • promover a reflexão sobre novas formas de gerir e fazer a produção na sua empresa;
  • permitir que a empresa fique mais aberta a novas experiências e a um ambiente mais flexível;
  • ter contato com uma nova cultura empresarial;
  • estimular a criatividade entre os colaboradores e a concorrência saudável entre eles.

Percebemos que as vantagens que o intercâmbio no trabalho promove não são somente na questão estrutural da produção, mas também na mudança no clima interno entre os funcionários. Isso estimula todos que tiverem contato com o intercambista a melhorar a sua forma de agir e trabalhar.

3. Determine seus objetivos

Fazer um intercâmbio de trabalho não é somente ir para um lugar com uma cultura diferente e observar o que eles fazem. É preciso identificar quais são os seus objetivos para não perder o foco quando chegar na companhia.

Como esses acontecimentos podem ser de curta duração, não é interessante perder nenhum momento importante do processo. Por isso, antes de ir, saiba quais os motivos que levam você para esse lugar. Se o objetivo é entender como aquela empresa atua no setor de produção, elenque quais são eles. Confira como fazer isso:

  • faça uma reunião com os gestores da empresa para entender o que eles esperam da viagem corporativa;
  • identifique as formas como a sua empresa atua, a fim de fazer uma comparação;
  • entenda como a sua empresa funciona;
  • conheça a rotina dos setores;
  • saiba quais produtos são feitos;
  • conheça a forma como os gestores atuam;
  • anote todas as recomendações dos gestores para não esquecer nenhum detalhe;
  • detecte quais os setores da empresa destino devem ser conhecidos;
  • pesquise sobre essa empresa, seus parceiros e como ela atua.

A intenção de fazer esse panorama antes de embarcar é entender qual a situação da sua empresa e para onde você deve olhar quando estiver viajando. Isso permite que você vá mais preparado e atinja o real objetivo do intercâmbio no trabalho.

É claro que isso é uma pré-produção da viagem e, quando você chegar lá, é possível encontrar muitos aspectos novos e que não estavam no seu planejamento. A dica nessa questão é ficar atento a tudo que for novo.

As mesmas dicas servem para quando a sua empresa receber um visitante. Nesse caso, é importante ficar atento para absorver todas as informações relevantes que ele vai passar para vocês.

4. Trace um plano para a viagem

É importante fazer um planejamento dessa viagem, pois essa organização vai nortear a sua rotina ao longo dos dias. Para isso, saiba quantos dias ficará no destino, para se planejar dentro daquele período.

Se a sua empresa trabalhar com o sistema de self booking, você terá mais liberdade de escolher todo o itinerário da viagem, como a reserva das passagens, os lugares de hospedagem e quais formas de locomoção. Assim, você também consegue se planejar e encaixar todo o planejamento na viagem.

Com toda organização feita, você deve montar o seu plano de visitação na empresa baseado nos objetivos gerais. Se o foco é conhecer todo o funcionamento interno, escolha conhecer um setor por dia ou foque o que for mais interessante. Ao traçar esse plano alinhado aos objetivos, você tem as maiores chances de aproveitar a visita.

5. Faça parte da nova cultura

A cultura empresarial e do país são um conjunto de valores, hábitos, costumes e crenças partilhados pelos seus membros. É esse agrupamento de características que auxiliam os gestores e colaboradores a tomarem decisões e a direcionar as suas ações.

Sabemos que qualquer ambiente diferente do que estamos acostumados pode nos gerar algum tipo de estranhamento. Porém, não podemos ficar assustados com essas dessemelhanças: é necessário observá-las, pois elas contribuem para o crescimento da sua empresa.

Em primeiro momento, é importante enxergar quais são essas diferenças; posteriormente, tente fazer parte dessa nova cultura e absorver esses valores. Assim, você consegue entender como eles funcionam e como empregá-los na sua empresa.

Por exemplo, se a empresa de destino tem o costume de promover cursos, workshops e eventos de integração para as equipes, veja como eles funcionam, saiba se os resultados são positivos e quais as chances de colocar as mesmas estratégias em prática na sua empresa.

Em alguns casos, viagens de incentivo podem ser direcionadas como prêmios para as equipes que atingirem alguns objetivos internos. Essa escolha pode promover a competição saudável e estimular a produção.

6. Agregue conhecimento

Essas viagens não são apenas para você conhecer uma nova empresa, mudar a rotina e passear. Elas são feitas pois os gestores desejam que algumas conclusões e resultados sejam devolvidos ao final da viagem.

A parte de observação do ambiente interno vai desde a forma como a cultura empresarial é abordada até o tipo de tecnologia utilizado pelos colaboradores. As empresas que se destacam no mercado de trabalho só conseguem atingir esse patamar devido à união de vários fatores internos. Confira como observar o ambiente interno:

  • entenda como a empresa investe no desempenho individual e coletivo;
  • identifique quais são os incentivos para melhorar a produção e promover um bom clima interno;
  • veja qual a relação do líder com a cultura empresarial interna e como ela é aplicada;
  • observe qual a tecnologia empregada internamente e quais são os resultados — sendo eles positivos ou negativos;
  • perceba como os objetivos pessoais dos colaboradores estão alinhados com os da sua equipe;
  • faça um relatório de viagem com tudo que você identificou.

O conhecimento não vem apenas ao identificar quais são esses mecanismos que funcionam dentro da empresa. É importante entender como eles funcionam, identificar os resultados, para saber se é possível implantá-los na sua corporação e, além de tudo, agregar todo esse conhecimento.

7. Busque uma agência especializada

Como o intercâmbio corporativo requer que um planejamento seja feito, é importante fazer a contratação de uma agência online para a sua execução. Essa experiência se configura enquanto viagem corporativa, pois o seu objetivo é promover um retorno positivo para a empresa e para o colaborador.

A realização desse programa passa pelos mesmos processos de organização de uma viagem. Você, enquanto colaborador, ficará um período fora e, para isso, é preciso pensar em hospedagem, passagens, transporte e alimentação.

O self booking permite ter toda a liberdade de fazer esse tipo de planejamento, já que o objetivo dessa viagem é aprender com empresas de fora, e você será o principal responsável pela organização do roteiro. Além disso, é possível utilizar o cashback para obter descontos em viagens futuras.

A agência é importante nesses casos, pois é ela quem vai disponibilizar os mecanismos para que isso aconteça, como o auxílio na produção das políticas de viagens corporativas, o contato com as empresas parceiras e a própria experiência de mercado. Contar com esse apoio permite melhor aproveitamento do intercâmbio corporativo.

Promover essa troca entre as empresas por meio dos colaboradores é uma forma de estreitar os laços de parceria entre eles. É importante pensar que as informações que forem coletadas ao longo da viagem podem ser inspirações para mudanças na empresa.

O intercâmbio no trabalho serve como aprendizado para a corporação e permite que a sua cultura interna também seja ensinada para os outros colaboradores.

Gostou do nosso texto e quer saber como promover essa experiência na sua empresa? Entre em contato conosco e fique tire todas as suas dúvidas.

Já imaginou preparar sua bagagem de mão com seus pertences mais importantes e tudo o que vai precisar durante o voo e, na hora de embarcar, ter que despachar essa mala? Ou até ter que se desfazer de objetos pessoais? Saiba que é muito comum isso acontecer com pessoas que não sabem o que não pode levar na bagagem de mão.

Em alguns casos, como em viagens corporativas curtas, é frequente as pessoas viajarem apenas com a bagagem de mão a fim de agilizar o check-in. No entanto, é preciso ter muito cuidado na hora de arrumar essa mala, para que essa praticidade não se transforme em uma tremenda dor de cabeça.

Para garantir que seu embarque seja sempre tranquilo, neste post listamos tudo o que você precisa saber sobre os limites de quantidade, peso e dimensões, além dos itens permitidos e proibidos nas malas de mão. Continue a leitura e aprenda tudo sobre o assunto agora mesmo!

Veja quais são as regras para a bagagem de mão

Se você não quer ter nenhum problema na hora de embarcar, precisa conhecer o que não pode levar na bagagem de mão. Então, vamos conferir quais são os principais cuidados e especificações? Continue a leitura!

Analise quais são os pesos e as dimensões

A recente mudança nas regras de franquia aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) concede ao passageiro o direito a uma bagagem de mão de até 10 kg, em que a soma de suas dimensões (comprimento + largura + altura) não ultrapasse 115 cm. 

No entanto, a quantidade de bagagens, o limite de peso e as dimensões podem variar entre companhias aéreas e por tipo de tarifa. Portanto, a dica é sempre confirmar os detalhes em seu bilhete e, se você ficar com alguma dúvida, entre em contato com a companhia aérea.

Certamente, você já deve ter percebido pessoas entrando nos voos com mochilas maiores e ficou pensando: “se eu soubesse que poderia ter embarcado com a minha, não teria despachado”.

Antigamente, as pessoas costumavam despachar toda a sua bagagem. Contudo, saiba que, se você seguir as regras que citamos, pode embarcar com sua mochila. Além disso, além da bagagem de mão, é permitido entrar com um volume pequeno, (como uma bolsa ou outra mochila), que possa ser acomodado embaixo do assento. 

No entanto, aqui vale uma dica extra: jamais deixe para embarcar na última hora, pois pode não haver mais espaço para sua bagagem de mão e você será obrigado a despachá-la.

Veja o que não pode levar na bagagem de mão

É muito importante saber com antecedência o que não pode levar na bagagem de mão para que você não tenha transtornos durante a sua viagem. Afinal, mesmo sem a intenção, você pode carregar um objeto proibido e isso causará diversos problemas que seriam facilmente evitados na hora do embarque. E, convenhamos, ninguém precisa de uma dor de cabeça desse tipo antes de voar, não é mesmo?

Antes de viajar é importante consultar as restrições impostas pelos países de destino e as específicas de cada empresa. Como regras gerais, os itens citados abaixo são proibidos em bagagens de mão e essa condição é válida para todas as companhias aéreas:

  • objetos cortantes ou pontiagudos (como estiletes, navalhas, tesouras, facas, canivetes e cortadores de unha);
  • produtos inflamáveis ou explosivos (inclusive o tradicional desodorante aerossol);
  • armas de qualquer tipo (inclusive as de brinquedo);
  • ferramentas de mão de obra (como furadeiras e brocas, chaves de fenda e martelos);
  • produtos tóxicos ou químicos (como alvejantes líquidos, mercúrio e baterias com líquido corrosivo).

Caso o viajante precise utilizar medicamentos líquidos durante a viagem é preciso apresentar a prescrição médica quando ele for passar pela inspeção. Assim, o passageiro pode transportar a quantidade correta para a viagem (mesmo quando o voo tem escalas).

Além disso, caso você compre algum item a bordo da aeronave (ou nos free shops), mesmo que eles tenham mais de 100 ml, você pode transportá-los. No entanto, é preciso que a embalagem esteja selada e o recibo de compra deve estar sempre com você.

Saiba quais são os itens que você pode levar tranquilamente

Agora que você conferiu quais são os itens proibidos, vamos mostrar quais são os permitidos de levar na cabine com restrição de volume e quantidade. Veja quais são eles:

  • líquidos e géis no limite de um litro (1 l) dividido em frascos de até 100 ml (voos internacionais) e 1,2 litro em frasco de até 300 ml (voos nacionais);
  • produtos em pó somente em embalagens de até 350 ml (voos para os EUA);
  • bebidas alcoólicas que não excedam 70% de álcool por garrafa, no limite de 5 litros por pessoa;
  • remédios (com receita médica);
  • maleta;
  • travesseiro de pescoço;
  • máscara para dormir;
  • mantas e cobertores;
  • cosméticos sólidos (tais como batom, desodorante e protetor labial);
  • alimentos infantis e dietas especiais na quantidade necessária para o período do voo;
  • isqueiro inferior a 8 cm, guarda-chuva, aparelho de barbear, termômetro, objetos com lâminas menores que 6 cm e aerossóis para uso médico ou de higiene em embalagens de, no máximo, 300 ml.

Saiba o que não pode faltar na sua bagagem

Agora que você aprendeu tudo o que pode e o que não pode levar na bagagem de mão, preparemos um bônus! Para complementar, listamos alguns dos itens considerados essenciais em uma bagagem de mão:

  • pasta com documentos e comprovantes;
  • caneta;
  • objetos de valor (dinheiro, cartões, notebooks, joias etc.);
  • eletrônicos, carregadores, adaptadores, fone de ouvido;
  • pelo menos uma troca de roupa (para o caso de se sujar durante o voo ou a mala despachada extraviar);
  • medicamentos;
  • nécessaire com itens básicos de saúde e de higiene;
  • livros e revistas.

É muito importante ter um bom planejamento da sua viagem: por quanto tempo você ficará fora? Qual é a previsão do tempo nesse período? Fazer esse tipo de questionamento é essencial para escolher o que você colocará na mala.

Seja qual for o destino ou o objetivo da sua viagem, lembre-se de levar apenas o essencial, tanto para não ter que pagar excesso de bagagem quanto para ter mais tranquilidade na hora de carregar os seus pertences.

Vale ressaltar, novamente, que é essencial conferir as regras com a companhia aérea, afinal, existem diferenças entre viagens nacionais e internacionais. Portanto, antes de viajar, confira o regulamento.

Sempre separe sua bagagem de mão com calma, reveja todos os itens e confira o peso antes de sair de casa para evitar problemas. É muito importante conhecer o que não pode levar na bagagem de mão para evitar confusões durante a viagem. Lembre-se de que as autoridades legais podem determinar o despacho de malas fora do padrão permitido e confiscar itens considerados proibidos.

O que você achou do nosso conteúdo? Curtiu? Então, aproveite para curtir também a nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as nossas publicações!

Quando o fim do ano se aproxima, muitas pessoas e empresas já se preparam para uma data que geralmente dá o que falar: a Black Friday. Prometendo descontos especiais, o dia move diversos brasileiros a consumirem produtos e serviços dos mais variados tipos. Foi justamente desse período do ano que nasceu outra proposta: o Green Friday.

Diferentemente da “sexta-feira negra”, a “sexta-feira verde” não estimula o consumo desenfreado, mas, sim, de uma maneira sustentável. Neste artigo, vamos explicar o que significa esse conceito, os seus objetivos e por que é importante comprar de empresas que adotam o Green Friday.

Acompanhe!

O que é o Green Friday?

Mas, afinal de contas, o que é esse dia? Assim como a Black Friday, a data no Brasil acontece sempre na quarta sexta-feira do mês de novembro. A ideia é dar um incentivo para que as pessoas invistam na contratação de cursos nos mais diferentes segmentos e na compra de livros, contando com descontos para isso.

O movimento pretende valorizar a busca pela capacitação e pelo conhecimento.

Como o Green Friday surgiu?

Como o próprio nome sugere, o Green Friday, idealizado pelo site Agenda Sustentabilidade, foi baseado na Black Friday, lançando um novo olhar acerca da data.

Criado no ano de 2013 com o slogan “Troque o eletrônico por algo mais importante: o seu conhecimento”, o movimento vai contra o consumo desenfreado e exagerado que ocorre nos fins de ano.

A “sexta-feira verde” foi organizada apenas 32 horas antes da Black Friday e já em seu primeiro ano foi um sucesso. Ao todo, o evento conseguiu reunir sete parceiros, que fecharam negócios calculados em aproximadamente R$ 60 mil; 59 cursos foram oferecidos com promoções especiais.

Qual é o objetivo da Green Friday?

A ideia por trás da Green Friday é que as pessoas e as empresas em geral possam refletir acerca do que elas têm consumido e de que maneira têm feito isso. Em uma realidade em que tanto se fala da sustentabilidade, o movimento joga luz sobre essa questão e estimula a compra e venda de artigos que não impactam negativamente o meio ambiente.

A intenção é que mais e mais pessoas possam ser atingidas por esse movimento, contribuindo, assim, para a melhoria do planeta e da relação do ser humano com o meio em que vive.

Qual a importância da Green Friday para o consumo consciente?

Fato é que o consumo consciente tem sido cada vez mais estimulado nas mais diferentes esferas, no entanto, essa ideia é relativamente recente. Por isso, ter uma data especial, que lembra as pessoas da relevância de avaliar bem o que, quando, como e onde vão adquirir algo, pensando no bem-estar da comunidade como um todo, é essencial.

Talvez leve ainda muito tempo para que todos tenham, por si só, essa consciência sozinhos, sem precisar do auxílio de um dia específico para isso. Enquanto a realidade dos sonhos não chega, lutar por ela é fundamental.

Por que comprar de empresas que adotam a Green Friday?

Agora que você já sabe o que é essa data tão estimulante e especial e por que ela é importante, chegou a hora de avaliar outro ponto: por que você deve comprar de empresas que aderem a esse movimento?

Quando você adquire bens e serviços dessas marcas, está contribuindo para fortalecê-las e tornando o Green Friday ainda mais robusto — afinal, ele só tem sentido se houver consumidores dispostos a fazer dele uma data única.

Além disso, você ainda tem o benefício de comprar aquilo que preza pela sustentabilidade, tendo a certeza de que fez um ótimo negócio não só para você ou para a sua empresa, mas também para o mundo de maneira geral.

Leia, abaixo, mais algumas das vantagens que você terá por meio dessa ação consciente.

Redução do impacto ambiental e social

Frequentemente, as notícias mostram que o planeta está pedindo socorro. Queimadas, geleiras derretendo, escassez de água, tudo isso afeta não um povo, um país ou determinadas empresas, mas todos nós.

Se todas essas ocorrências são resultado do que o ser humano tem feito de negativo em relação ao planeta, diversas pessoas podem fazer a diferença nesse sentido e agir ao contrário.

Ao consumir de maneira sensata, você ajuda a reduzir o impacto ambiental e social e a deixar um local melhor para as gerações posteriores.

Adoção de práticas de consumo mais conscientes

Tendo em vista o estímulo atual a um consumo acelerado e sem muitos critérios, muitas vezes não é fácil para ninguém modificar essa situação de uma hora para outra. Quantas vezes você não levou em conta o que estava comprando e de onde, mas, sim, a sua vontade momentânea?

Ao adquirir de empresas que aderem ao Green Friday, você começa a cultivar novos hábitos. A sua visão a respeito do assunto se amplia e a satisfação em saber que se está fazendo algo por um mundo melhor torna esse processo muito mais efetivo.

Ausência de compras por impulso

Você já se deixou levar por promoções? Já passou em frente a algum lugar ou entrou em um site eventualmente e, de repente, acabou fechando negócio porque gostou do preço, mas sequer precisava daquilo?

Quando uma empresa adere ao Green Friday, ela não quer que você compre algo a todo custo. A ideia é que você adquira um bom produto ou serviço, que preza pela sustentabilidade, e se sinta satisfeito.

Ao adquirir algo de uma marca assim, você vai acabar mudando a sua forma de consumir, aprendendo a fazer melhores escolhas. Posteriormente, estará muito mais apto para comprar o que, de fato, é importante.

O Green Friday chegou para ficar. Mais do que disponibilizar produtos a um menor preço do que é praticado habitualmente, a data oferece aos consumidores a possibilidade de serem agentes ativos nas mudanças emergenciais do planeta. Sendo um deles, você só tem a ganhar. Por isso, é essencial buscar empresas que fazem parte desse movimento.

Se você gostou deste artigo, entre em contato conosco e saiba tudo o que temos a oferecer em termos de viagem e como podemos lhe ajudar a realizar as melhores compras!

As viagens ao exterior são muito comuns no mundo empresarial. É nesse momento que as grandes empresas fecham negócios e as companhias em crescimento começam a formar as suas primeiras parcerias. Porém, é preciso ficar atento quanto aos documentos necessários, por isso, é importante saber como tirar o visto.

A preparação da viagem é muito mais do que apenas comprar as passagens e reservar hotéis. Existem alguns procedimentos que devem ser realizados anteriormente, como fazer o passaporte e retirar o visto. Afinal, apenas com esses documentos em mãos podemos entrar em outros países.

Como esse tema apresenta muitas especificidades, é preciso tomar cuidado e ficar atento aos detalhes. Você quer saber tudo que é preciso para tirar o visto de viagem? Continue lendo o nosso texto e saiba como pedir essa permissão.

O que é o visto?

Para começar, precisamos saber que o visto é uma permissão que o viajante deve pedir antes de embarcar no avião. Esse é o comprovante de que você está apto para entrar em um determinado país.

É nessa permissão que será identificado por quanto tempo é possível ficar no destino, qual o objetivo da viagem, o território que pode ser percorrido, número de visitas e até mesmo o prazo de validade para a visita. Como se pode perceber, cada visto é único e serve para diferentes situações específicas.

Qual é a finalidade do visto?

Os vistos são concedidos exclusivamente pelos órgãos do governo em um determinado país. Assim, são as autoridades daquele lugar que regulam e determinam quem pode ou não entrar em seu território.

Essas determinações são feitas a partir de acordos e até mesmo da participação de tratados internacionais feitos pelo governo. Quando o visto é solicitado, o representante do país avalia se o motivo pelo qual o visto está sendo pedido é válido para a concessão.

A imposição do visto de entrada é para o controle de imigração legal, como forma de manter a segurança nacional. Pode ser também uma resposta à restrição de vistos pedidos para os seus cidadãos.

Isso pode variar de acordo com a situação dentro do próprio país, pois os países mais ricos limitam mais a concessão de vistos a países mais pobres ou com instabilidade governamental, por acreditarem que essas pessoas possam querer ficar no seu território.

Quais são os tipos de visto disponíveis?

Como mencionamos no tópico anterior, cada visto apresenta uma finalidade e, para isso, é preciso informar à embaixada ou ao consulado qual o objetivo com aquela visita. A partir da apresentação de documentação e até mesmo entrevista, esses órgãos avaliam se o pedido está dentro dos conformes.

Confira quais são os tipos de vistos disponíveis.

Visto de trânsito

Essa permissão serve apenas para quem está passando por aquele país, como no caso de uma escala, e esse visto tem validade de até três dias.

Visto de turista

Esse tipo de visto é para as pessoas que não estão de passagem por aquele país e permanecerão por mais alguns dias sem exercer nenhuma atividade relacionada ao trabalho. A sua validade varia de acordo com cada país.

Visto de estudante

É destinado às pessoas que farão algum curso naquele país, como estudar em escolas, universidades, fazer cursos de curta duração ou longa duração. O prazo varia de acordo com o tempo do curso e é importante apresentar os documentos relativos à matrícula na instituição como forma de comprovar o seu vínculo.

Visto de negócio

Essa permissão é para as pessoas que vão exercer alguma atividade comercial naquele país. Geralmente é destinado a pessoas que fazem alguma compra e visitam clientes. Esse caso pode se estender às pessoas que vão realizar algumas outras atividades, como pesquisa, trabalho voluntário e palestras.

Visto de trabalho

Diferentemente do visto de negócios, esse é destinado às pessoas que de fato vão trabalhar dentro do território daquele país. Com ele é possível exercer as atividades de forma legal, por isso, é importante que você saiba falar bem inglês ou a língua local. Se você for pedir o visto já com o contrato assinado com alguma empresa, a sua expedição costuma ser mais fácil.

Visto de jornalista

É para os profissionais que atuam enquanto jornalistas e que almejam realizar alguma reportagem no exterior. Ele se estende à equipe que vai trabalhar na execução da atividade jornalística, como cinegrafistas, fotógrafos e editores.

Visto diplomático

Essa autorização é destinada às pessoas que estão em viagens oficiais e que possuem o passaporte diplomático.

Visto de noivo

É indicado para pessoas de diferentes nacionalidades que vão se casar. Essa permissão é válida apenas por alguns dias antes da cerimônia e é preciso comprovar a existência do relacionamento.

Como tirar o visto?

Como mencionamos, cada governo determina quais os documentos são relevantes na hora de solicitar o visto. Para identificar quais são necessários, é indicado acessar o site da embaixada ou consulado do país de destino.

Com base em acordos, o passaporte brasileiro tem isenção de visto de turismo para mais de 150 países. Porém, isso não significa que você não precisa apresentar alguns documentos que comprovem o objetivo da sua viagem. Confira a relação do Brasil com outros países.

O procedimento para tirar o visto é o mesmo para qualquer país?

As formas de solicitar o visto variam de acordo com os acordos feitos entre o Brasil e demais países. Alguns permitem o livre acesso em um determinado período de acordo com o objetivo da viagem, como turismo e negócios. É preciso saber o tipo de viagem que você está pretendendo para solicitar a liberação correta.

Visto para os Estados Unidos

O primeiro passo é o preenchimento do formulário D2-160, que está disponível no site da Embaixada Americana. As perguntas são feitas em inglês, mas podem ser traduzidas para o português. Após o pagamento da taxa é preciso que o requerente agende uma entrevista pessoal no consulado e leve a documentação necessária.

Visto para a Europa

Nos países da União Europeia, o visto é solicitado apenas para quem ultrapassar o período de 90 dias. Após esse prazo é preciso solicitar o visto para o consulado de cada país. Caso o prazo de 90 dias termine e o visto não seja solicitado, o viajante deve esperar 180 dias para entrar novamente na Europa.

Visto para o Canadá

Desde 2017, o país não exige visto de turismo para entrar em seu território, caso você já tenha o visto que permite a entrada nos Estados Unidos. Para os outros é preciso preencher os formulários disponíveis no site da embaixada, criar uma conta no site de Cidadania e imigração, enviar os documentos e pagar a taxa.

Visto para a América Latina

Para os países que integram o Mercosul, além do Chile, não é necessário solicitar visto. Assim, os brasileiros podem entrar portando apenas a sua identidade nacional, para turismo e viagens de negócios. Já na Bolívia, para o turismo, a dispensa de visto vale por até 30 dias, mas, para negócios, o visto é exigido.

Visto para o Reino Unido

Para entrar na Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e no País de Gales não é preciso solicitar o visto com antecedência. A liberação é feita na chegada ao país, quando se passa pela imigração. Porém, isso não exclui a necessidade de apresentar informações como lugar de hospedagem, passagens e demais documentos.

Quanto custa para tirar o visto?

As taxas podem variar para cada um deles e de acordo com o visto. É importante saber qual o destino para conseguir fazer esse pagamento antecipadamente, pois muitos deles solicitam que isso seja feito antes de partir para as outras etapas.

América do Norte

No caso dos EUA, o valor da taxa é de US$ 160. No Canadá, o custo de CAD$150 é destinada à permissão de estudo; para o trabalho, o valor sobe para CAD$155. Além disso, desde 2018, o Canadá exige que os visitantes façam biometria e tirem foto para registro, que ficam no valor de CAD$85 por pessoa ou CAD$170 por família.

Europa

Caso a viagem seja feita entre os 90 dias, não é preciso fazer a solicitação. Porém, a partir de 2021, os brasileiros devem solicitar uma autorização de viagem online para entrar no Espaço Europeu de Livre Circulação (Espaço Schengen) e pagar uma taxa no valor de 7 euros por pessoa.

O que fazer para não ter visto negado?

O mais importante para evitar que o visto seja negado é solicitar o visto certo para a sua viagem. É importante conhecer o processo e cumprir cada etapa em seu tempo para não perder a chance. Além disso, não se esqueça de apresentar todos os documentos que forem relevantes.

Se a viagem tiver como foco o turismo, apresente os comprovantes de hotéis, passeios e passagens de volta. Isso mostra que você não tem planos de ficar naquele país. Caso a viagem seja a negócios, você pode solicitar que a empresa a ser visitada lhe envie uma carta convidando-o para ir à sua sede.

Fazer esse tipo de procedimento requer pesquisa para evitar problemas na hora de solicitar o visto. Por isso, agências de viagens online conseguem garantir agilidade e menos trabalho no pedido e promover a melhor experiência no processo. Afinal, saber como tirar o visto é muito importante para as empresas que não querem perder tempo na hora de realizar viagens internacionais.

Quer saber como fazer o seu planejamento? Saiba como elaborar políticas de viagens corporativas internacionais.

As viagens ao exterior são muito comuns no mundo empresarial. É nesse momento que as grandes empresas fecham negócios e as companhias em crescimento começam a formar as suas primeiras parcerias. Porém, é preciso ficar atento quanto aos documentos necessários, por isso, é importante saber como tirar o visto.

A preparação da viagem é muito mais do que apenas comprar as passagens e reservar hotéis. Existem alguns procedimentos que devem ser realizados anteriormente, como fazer o passaporte e retirar o visto. Afinal, apenas com esses documentos em mãos podemos entrar em outros países.

Como esse tema apresenta muitas especificidades, é preciso tomar cuidado e ficar atento aos detalhes. Você quer saber tudo que é preciso para tirar o visto de viagem? Continue lendo o nosso texto e saiba como pedir essa permissão.

O que é o visto?

Para começar, precisamos saber que o visto é uma permissão que o viajante deve pedir antes de embarcar no avião. Esse é o comprovante de que você está apto para entrar em um determinado país.

É nessa permissão que será identificado por quanto tempo é possível ficar no destino, qual o objetivo da viagem, o território que pode ser percorrido, número de visitas e até mesmo o prazo de validade para a visita. Como se pode perceber, cada visto é único e serve para diferentes situações específicas.

Qual é a finalidade do visto?

Os vistos são concedidos exclusivamente pelos órgãos do governo em um determinado país. Assim, são as autoridades daquele lugar que regulam e determinam quem pode ou não entrar em seu território.

Essas determinações são feitas a partir de acordos e até mesmo da participação de tratados internacionais feitos pelo governo. Quando o visto é solicitado, o representante do país avalia se o motivo pelo qual o visto está sendo pedido é válido para a concessão.

A imposição do visto de entrada é para o controle de imigração legal, como forma de manter a segurança nacional. Pode ser também uma resposta à restrição de vistos pedidos para os seus cidadãos.

Isso pode variar de acordo com a situação dentro do próprio país, pois os países mais ricos limitam mais a concessão de vistos a países mais pobres ou com instabilidade governamental, por acreditarem que essas pessoas possam querer ficar no seu território.

Quais são os tipos de visto disponíveis?

Como mencionamos no tópico anterior, cada visto apresenta uma finalidade e, para isso, é preciso informar à embaixada ou ao consulado qual o objetivo com aquela visita. A partir da apresentação de documentação e até mesmo entrevista, esses órgãos avaliam se o pedido está dentro dos conformes.

Confira quais são os tipos de vistos disponíveis.

Visto de trânsito

Essa permissão serve apenas para quem está passando por aquele país, como no caso de uma escala, e esse visto tem validade de até três dias.

Visto de turista

Esse tipo de visto é para as pessoas que não estão de passagem por aquele país e permanecerão por mais alguns dias sem exercer nenhuma atividade relacionada ao trabalho. A sua validade varia de acordo com cada país.

Visto de estudante

É destinado às pessoas que farão algum curso naquele país, como estudar em escolas, universidades, fazer cursos de curta duração ou longa duração. O prazo varia de acordo com o tempo do curso e é importante apresentar os documentos relativos à matrícula na instituição como forma de comprovar o seu vínculo.

Visto de negócio

Essa permissão é para as pessoas que vão exercer alguma atividade comercial naquele país. Geralmente é destinado a pessoas que fazem alguma compra e visitam clientes. Esse caso pode se estender às pessoas que vão realizar algumas outras atividades, como pesquisa, trabalho voluntário e palestras.

Visto de trabalho

Diferentemente do visto de negócios, esse é destinado às pessoas que de fato vão trabalhar dentro do território daquele país. Com ele é possível exercer as atividades de forma legal, por isso, é importante que você saiba falar bem inglês ou a língua local. Se você for pedir o visto já com o contrato assinado com alguma empresa, a sua expedição costuma ser mais fácil.

Visto de jornalista

É para os profissionais que atuam enquanto jornalistas e que almejam realizar alguma reportagem no exterior. Ele se estende à equipe que vai trabalhar na execução da atividade jornalística, como cinegrafistas, fotógrafos e editores.

Visto diplomático

Essa autorização é destinada às pessoas que estão em viagens oficiais e que possuem o passaporte diplomático.

Visto de noivo

É indicado para pessoas de diferentes nacionalidades que vão se casar. Essa permissão é válida apenas por alguns dias antes da cerimônia e é preciso comprovar a existência do relacionamento.

Como tirar o visto?

Como mencionamos, cada governo determina quais os documentos são relevantes na hora de solicitar o visto. Para identificar quais são necessários, é indicado acessar o site da embaixada ou consulado do país de destino.

Com base em acordos, o passaporte brasileiro tem isenção de visto de turismo para mais de 150 países. Porém, isso não significa que você não precisa apresentar alguns documentos que comprovem o objetivo da sua viagem. Confira a relação do Brasil com outros países.

O procedimento para tirar o visto é o mesmo para qualquer país?

As formas de solicitar o visto variam de acordo com os acordos feitos entre o Brasil e demais países. Alguns permitem o livre acesso em um determinado período de acordo com o objetivo da viagem, como turismo e negócios. É preciso saber o tipo de viagem que você está pretendendo para solicitar a liberação correta.

Visto para os Estados Unidos

O primeiro passo é o preenchimento do formulário D2-160, que está disponível no site da Embaixada Americana. As perguntas são feitas em inglês, mas podem ser traduzidas para o português. Após o pagamento da taxa é preciso que o requerente agende uma entrevista pessoal no consulado e leve a documentação necessária.

Visto para a Europa

Nos países da União Europeia, o visto é solicitado apenas para quem ultrapassar o período de 90 dias. Após esse prazo é preciso solicitar o visto para o consulado de cada país. Caso o prazo de 90 dias termine e o visto não seja solicitado, o viajante deve esperar 180 dias para entrar novamente na Europa.

Visto para o Canadá

Desde 2017, o país não exige visto de turismo para entrar em seu território, caso você já tenha o visto que permite a entrada nos Estados Unidos. Para os outros é preciso preencher os formulários disponíveis no site da embaixada, criar uma conta no site de Cidadania e imigração, enviar os documentos e pagar a taxa.

Visto para a América Latina

Para os países que integram o Mercosul, além do Chile, não é necessário solicitar visto. Assim, os brasileiros podem entrar portando apenas a sua identidade nacional, para turismo e viagens de negócios. Já na Bolívia, para o turismo, a dispensa de visto vale por até 30 dias, mas, para negócios, o visto é exigido.

Visto para o Reino Unido

Para entrar na Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e no País de Gales não é preciso solicitar o visto com antecedência. A liberação é feita na chegada ao país, quando se passa pela imigração. Porém, isso não exclui a necessidade de apresentar informações como lugar de hospedagem, passagens e demais documentos.

Quanto custa para tirar o visto?

As taxas podem variar para cada um deles e de acordo com o visto. É importante saber qual o destino para conseguir fazer esse pagamento antecipadamente, pois muitos deles solicitam que isso seja feito antes de partir para as outras etapas.

América do Norte

No caso dos EUA, o valor da taxa é de US$ 160. No Canadá, o custo de CAD$150 é destinada à permissão de estudo; para o trabalho, o valor sobe para CAD$155. Além disso, desde 2018, o Canadá exige que os visitantes façam biometria e tirem foto para registro, que ficam no valor de CAD$85 por pessoa ou CAD$170 por família.

Europa

Caso a viagem seja feita entre os 90 dias, não é preciso fazer a solicitação. Porém, a partir de 2021, os brasileiros devem solicitar uma autorização de viagem online para entrar no Espaço Europeu de Livre Circulação (Espaço Schengen) e pagar uma taxa no valor de 7 euros por pessoa.

O que fazer para não ter visto negado?

O mais importante para evitar que o visto seja negado é solicitar o visto certo para a sua viagem. É importante conhecer o processo e cumprir cada etapa em seu tempo para não perder a chance. Além disso, não se esqueça de apresentar todos os documentos que forem relevantes.

Se a viagem tiver como foco o turismo, apresente os comprovantes de hotéis, passeios e passagens de volta. Isso mostra que você não tem planos de ficar naquele país. Caso a viagem seja a negócios, você pode solicitar que a empresa a ser visitada lhe envie uma carta convidando-o para ir à sua sede.

Fazer esse tipo de procedimento requer pesquisa para evitar problemas na hora de solicitar o visto. Por isso, agências de viagens online conseguem garantir agilidade e menos trabalho no pedido e promover a melhor experiência no processo. Afinal, saber como tirar o visto é muito importante para as empresas que não querem perder tempo na hora de realizar viagens internacionais.

Quer saber como fazer o seu planejamento? Saiba como elaborar políticas de viagens corporativas internacionais.

Contar com um bom seguro empresarial é fundamental para que um empresário possa desenvolver suas atividades com mais tranquilidade. Entretanto, existe outra modalidade que acaba não sendo observada, mas pode ser muito valiosa: o seguro viagem.

Esse tipo de seguro pode ser aplicado, especialmente, para aquelas empresas em que seus colaboradores ou proprietários fazem viagens corporativas com muita frequência.

Pensando na importância do assunto, resolvemos escrever este artigo. Nele, mostraremos todas as informações que você precisa saber sobre esse tipo de seguro que é aplicado nas viagens corporativas. Acompanhe!

O que é o seguro viagem?

De modo geral, um seguro de viagem é um serviço que garante uma transição tranquila da sua cidade até o local de destino. Ele garante a segurança do passageiro em diversas situações, principalmente em contratempos que podem ocorrer durante uma viagem ou quando a pessoa chega no seu destino.

Quando voltamos os olhos para as viagens corporativas, esse tipo de serviço é muito vantajoso, uma vez que garante benefícios tanto para o gestor como para um funcionário que esteja em viagens pela empresa.

Quais são as coberturas oferecidas?

Um bom seguro de viagem voltado para viagens corporativas garante indenização por eventuais custos que forem gerados em situações previstas na apólice de contratação. Algumas administradoras desse tipo de serviço oferecem uma rede credenciada para atendimento do segurado. As principais coberturas oferecidas são:

  • atendimento de urgência e emergência;
  • acidentes;
  • extravio ou perda de bagagem.

Além disso, esses seguros ainda podem oferecer coberturas para gestantes ou idosos, casos de interrupção de viagens, assessoria na área jurídica para pagar honorários advocatícios quando for necessário, medicamentos, assistência em caso de documentos perdidos, entre outras.

Qual a importância desse seguro para sua empresa?

Contratar um bom seguro viagem é uma forma de gerenciar riscos em seu empreendimento. Pense, por exemplo, em um funcionário que vai fazer uma viagem corporativa e sofre algum tipo de acidente. Como ficará a sua empresa nessa situação se ela não tiver um bom seguro?

Além de prejudicar o empregado, ele também pode se sentir lesado e entrar com uma ação judicial na Justiça do Trabalho contra a sua empresa por causa do dano que foi causado durante a viagem corporativa.

Além disso, esse seguro possibilitará que as viagens aconteçam com mais tranquilidade, sem ter que se preocupar com possíveis problemas que podem ocorrer quando chegar ao seu destino, deixando a mente livre para pensar apenas nos objetivos do deslocamento.

Além disso, vale a pena ressaltar que para viagens de negócios em outros países, na maioria dos casos, é exigido que o passageiro faça o seguro especializado em viagens.

Agora que você já sabe o que é o seguro viagem, não perca tempo e garanta esse tipo de proteção para o seu negócio. Procure uma boa corretora de seguros e faça a contratação o quanto antes.

Se você gostou das informações apresentadas e quer ficar por dentro de todas as novidades do nosso site, assine nossa newsletter e confira todas as novidades que postarmos a partir de agora!

Fazer uma viagem internacional requer alguns cuidados em relação à documentação pessoal. Como dentro do país costumamos levar a nossa carteira de identidade, para uma viagem ao exterior não seria diferente. O nosso documento de identificação no exterior é outro e, por isso, é preciso saber como fazer o passaporte.

Algumas pessoas podem ter dúvidas sobre como pedir o passaporte, pois é preciso agendar um horário e levar alguns documentos específicos para a sua realização. É importante fazer um planejamento prévio para evitar que falte algo importante na hora do procedimento.

Como ele é um documento essencial para viajar ao exterior, você tem que seguir um passo a passo para fazer a sua solicitação. Quer saber como fazer esse processo? Continue lendo nosso texto e conheça cada detalhe.

Conheça os requisitos para fazer o passaporte

Esse documento pode ser solicitado para a Polícia Federal em todo o território do Brasil. Porém, é preciso preencher alguns requisitos para realizar a sua solicitação. Confira quais são eles:

  • ser brasileiro;
  • ter título de eleitor (nesse caso, para maiores de 18 anos, cujo voto é obrigatório);
  • estar em dia com a Justiça Eleitoral (ter votado na última eleição, justificado ou ter realizado o pagamento da multa de ausência);
  • no caso dos homens, é preciso estar quite com o serviço militar obrigatório;
  • não ter nenhum impedimento judicial para sair do país, como alguma condenação ou ser procurado;
  • levar toda a documentação original necessária (em alguns casos, outros documentos podem ser exigidos, porém, isso será analisado na hora do atendimento).

Essa é a documentação para os brasileiros que forem maiores de 18 anos. Quando falamos da expedição de passaporte para menores, uma lista específica é determinada. Confira:

  • ser brasileiro;
  • estar acompanhado dos pais para a solicitação;
  • levar a autorização para a solicitação do passaporte (nesse caso, é preciso avaliar se o menor viajará somente com os genitores, desacompanhado ou com apenas um dos responsáveis. Para cada um desses casos há um formulário específico);
  • caso nenhum dos pais ou responsáveis possa estar presente no ato da solicitação é preciso enviar apresentar o formulário mencionado no tópico anterior e uma procuração assinada e com firma reconhecida.

Essa é a documentação básica para que o menor consiga realizar a solicitação do passaporte. Lembrando que é imprescindível a presença do requerente no ato da solicitação.

Separe a documentação necessária

Como mencionamos no tópico anterior, é preciso levar a documentação original no momento do atendimento no posto da Polícia Federal. Com isso, segue a lista do que é necessário para todos os solicitantes maiores de 18 anos.

Documento de identificação

Nesse caso, pode-se ser aceito enquanto documento de identificação:

  • carteiras de identidade expedidas por alguma Secretaria de Segurança Pública ou algum instituto de identificação;
  • carteira funcional que for expedida por um órgão público e reconhecida como documento de identificação por alguma lei federal;
  • carteira de identidade que for expedida por algum comando militar, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros ou ex-ministério militar;
  • carteira nacional de habilitação (expedida pelo Detran) e em conjunto com um documento original e que comprove o local de nascimento;
  • carteira de trabalho e previdência social;
  • passaporte brasileiro (mesmo que vencido).

Título de eleitor e certidão de quitação eleitoral

Durante o atendimento, é feita a consulta da situação do solicitante junto à Justiça Eleitoral. Nesse caso, é importante levar o título de eleitor e os comprovantes de votação ou a certidão de quitação eleitoral.

Documento que comprove quitação com o serviço militar

Esse documento deve ser apresentado por todos os indivíduos do sexo masculino a partir do dia 1º de janeiro do ano em que completam 19 anos até o dia 31 de dezembro do ano em que completam 45 anos.

Certificado de naturalização

Documento ou a cédula de identidade que tiver o número da portaria ministerial de naturalização respectiva e que for expedido pela Secretaria de Segurança Pública deve ser apresentado.

CPF

Esse documento é obrigatório para maiores de 18 anos e, no caso dos menores, são os CPFs dos responsáveis que devem ser mostrados. Esse registro pode ser apresentado caso estiver presente em carteira de identidade, CNH, passaporte anterior, carteira de trabalho ou outros comprovantes que tenham o número.

Carteira de identidade indígena

Para os índios, é preciso apresentar a carteira de identidade indígena. Para os que não tiverem esse registro é preciso levar uma declaração da Funai/MJ para comprovar a sua identificação. Para os que não foram integrados, é preciso que ele seja acompanhado de um representante da Funai autorizado.

Comprovante de pagamento da GRU

Ao final do agendamento, uma Guia de Recolhimento da União, a GRU, será emitida para o solicitante. Nesse caso, é preciso pagá-la antes de realizar o atendimento no dia agendado. Falaremos mais sobre esse comprovante em outro tópico.

Preencha o formulário online

Após conferir todo esse processo e certificar-se de que você está apto para solicitar o passaporte é preciso fazer o agendamento online. O processo é fácil, e você deve preencher o formulário de emissão de passaporte.

É importante lembrar que, durante o preenchimento online, serão solicitados os números dos seus registros e é imprescindível que você leve esse documento no dia do atendimento. Assim, se você está usando os dados da Carteira Nacional de Habilitação, você deve levá-la no dia marcado.

Caso você precise levar uma nova versão do documento ou outro documento, você não precisa preencher um novo formulário. Ao final do preenchimento, a GRU será emitida junto ao protocolo do procedimento.

Pague a taxa

O valor da emissão do passaporte atualmente é de R$ 257,25. É importante pagar a GRU no dia do vencimento, pois a etapa de agendamento é feita somente após a compensação desse pagamento.

O boleto pode ser pago em qualquer agência bancária ou lotérica. Se for necessário, você pode solicitar uma segunda via da GRU.

Realize o agendamento

Após a compensação do pagamento da taxa é importante realizar o agendamento do atendimento presencial em alguma das unidades da Polícia Federal. Marque no local e no horário em que você terá o acesso mais fácil, visto que a emissão e a retirada do passaporte devem ser feitas pelo próprio solicitante.

Se houver algum imprevisto, não precisa se desesperar. É possível reagendar o atendimento, porém, por questões relacionadas à segurança, é possível remarcar apenas duas vezes a cada 30 dias.

Compareça à unidade de atendimento

No dia em que o agendamento for marcado, é preciso que você compareça à unidade da Polícia Federal escolhida para realizar o procedimento. É importante levar toda a documentação mencionada no segundo item deste artigo em seu formato original.

Chegue com pelo menos 15 minutos de antecedência para evitar que o procedimento atrase. Nesse dia, os documentos serão analisados, as digitais serão coletadas e a foto do rosto para o documento será tirada.

Como o documento é emitido pela Casa da Moeda do Brasil, o prazo mínimo é de seis dias úteis, podendo variar de acordo com a localidade. É possível acompanhar o andamento da liberação do passaporte por meio da divisão de passaporte, no site da Polícia Federal. Em alguns casos, é possível que um e-mail seja enviado avisando que ele está pronto.

Retire o passaporte

Após a verificação de que ele está disponível, é preciso comparecer ao local de retirada sem agendamento prévio. O atendimento é feito por ordem de chegada e dentro do horário de funcionamento da unidade.

No ato de entrega, apenas o titular pode fazer a retirada mediante a apresentação de documento de identificação — de preferência os mesmos utilizados no dia da solicitação. Além disso, a assinatura do passaporte será coletada, e a digital, conferida.

O prazo para a retirada do passaporte é de até 90 dias. Após esse período, o documento será cancelado e não haverá reembolso da taxa paga.

Renove o passaporte

Quem já tiver um passaporte e precisar renovar o documento é preciso ficar atento a uma questão, o prazo de validade dele. Atualmente, os prazos variam de acordo com a idade das pessoas, sendo que:

  • de 0 a 1 ano, a validade é de 1 ano;
  • de 1 a 2 anos incompletos, a validade é de 2 anos;
  • de 2 a 3 anos incompletos, a validade é de 3 anos;
  • de 3 a 4 anos incompletos, a validade é de 4 anos;
  • de 4 a 18 anos incompletos, a validade é de 5 anos;
  • para os maios de 18, a validade é de 10 anos.

O procedimento de renovação é o mesmo para quem está solicitando pela primeira vez. Porém, caso você tenha um passaporte anterior ainda na validade é preciso levá-lo para ser cancelado e para que haja a emissão do novo. Caso o passaporte já tenha perdido a validade, a sua apresentação não é obrigatória.

É preciso ficar atento quanto à validade da documentação, pois cada país tem um acordo diferente com Brasil quanto à permanência das pessoas em seu território. Faça uma pesquisa antes de comprar as passagens aéreas.

Nos EUA e Reino Unido, é preciso que o passaporte seja válido durante o período da viagem. Para a Nova Zelândia, Panamá e os países da União Europeia é preciso que o passaporte tenha a validade de pelo menos mais três meses após a data de término da viagem.

Para quem for viajar para a Austrália, China, Índia, Irlanda, Japão, Marrocos, México, República Dominicana, Rússia, Tailândia, Turquia e Vietnã, o passaporte precisa ter a validade de pelo menos seis meses após o retorno da viagem. A Irlanda faz parte desta regra, pois, apesar de estar na União Europeia, o país não faz parte do Tratado de Schengen.

Se a viagem for feita para países da América do Sul, os brasileiros podem viajar apenas com a identidade. Porém, confira se é preciso alguma vacina específica para entrar em seu território.

Para solicitar o passaporte é preciso estar de acordo com todos esses requisitos. Há a exigência de uma grande quantidade de documentos e certificados, mas alguns podem ser acessados online. A partir do nosso conteúdo, é possível perceber que fazer o passaporte é algo fácil, mas trata-se de um procedimento que precisa ser feito e organizado com antecedência.

Após ter o principal documento em mãos, é hora de pensar na viagem. Agora que você já sabe como fazer o passaporte, que tal saber como planejar viagens corporativas? Então aproveite a sua visita no blog e leia este texto sobre as políticas de viagens internacionais.

Fazer uma viagem internacional requer alguns cuidados em relação à documentação pessoal. Como dentro do país costumamos levar a nossa carteira de identidade, para uma viagem ao exterior não seria diferente. O nosso documento de identificação no exterior é outro e, por isso, é preciso saber como fazer o passaporte.

Algumas pessoas podem ter dúvidas sobre como pedir o passaporte, pois é preciso agendar um horário e levar alguns documentos específicos para a sua realização. É importante fazer um planejamento prévio para evitar que falte algo importante na hora do procedimento.

Como ele é um documento essencial para viajar ao exterior, você tem que seguir um passo a passo para fazer a sua solicitação. Quer saber como fazer esse processo? Continue lendo nosso texto e conheça cada detalhe.

Conheça os requisitos para fazer o passaporte

Esse documento pode ser solicitado para a Polícia Federal em todo o território do Brasil. Porém, é preciso preencher alguns requisitos para realizar a sua solicitação. Confira quais são eles:

  • ser brasileiro;
  • ter título de eleitor (nesse caso, para maiores de 18 anos, cujo voto é obrigatório);
  • estar em dia com a Justiça Eleitoral (ter votado na última eleição, justificado ou ter realizado o pagamento da multa de ausência);
  • no caso dos homens, é preciso estar quite com o serviço militar obrigatório;
  • não ter nenhum impedimento judicial para sair do país, como alguma condenação ou ser procurado;
  • levar toda a documentação original necessária (em alguns casos, outros documentos podem ser exigidos, porém, isso será analisado na hora do atendimento).

Essa é a documentação para os brasileiros que forem maiores de 18 anos. Quando falamos da expedição de passaporte para menores, uma lista específica é determinada. Confira:

  • ser brasileiro;
  • estar acompanhado dos pais para a solicitação;
  • levar a autorização para a solicitação do passaporte (nesse caso, é preciso avaliar se o menor viajará somente com os genitores, desacompanhado ou com apenas um dos responsáveis. Para cada um desses casos há um formulário específico);
  • caso nenhum dos pais ou responsáveis possa estar presente no ato da solicitação é preciso enviar apresentar o formulário mencionado no tópico anterior e uma procuração assinada e com firma reconhecida.

Essa é a documentação básica para que o menor consiga realizar a solicitação do passaporte. Lembrando que é imprescindível a presença do requerente no ato da solicitação.

Separe a documentação necessária

Como mencionamos no tópico anterior, é preciso levar a documentação original no momento do atendimento no posto da Polícia Federal. Com isso, segue a lista do que é necessário para todos os solicitantes maiores de 18 anos.

Documento de identificação

Nesse caso, pode-se ser aceito enquanto documento de identificação:

  • carteiras de identidade expedidas por alguma Secretaria de Segurança Pública ou algum instituto de identificação;
  • carteira funcional que for expedida por um órgão público e reconhecida como documento de identificação por alguma lei federal;
  • carteira de identidade que for expedida por algum comando militar, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros ou ex-ministério militar;
  • carteira nacional de habilitação (expedida pelo Detran) e em conjunto com um documento original e que comprove o local de nascimento;
  • carteira de trabalho e previdência social;
  • passaporte brasileiro (mesmo que vencido).

Título de eleitor e certidão de quitação eleitoral

Durante o atendimento, é feita a consulta da situação do solicitante junto à Justiça Eleitoral. Nesse caso, é importante levar o título de eleitor e os comprovantes de votação ou a certidão de quitação eleitoral.

Documento que comprove quitação com o serviço militar

Esse documento deve ser apresentado por todos os indivíduos do sexo masculino a partir do dia 1º de janeiro do ano em que completam 19 anos até o dia 31 de dezembro do ano em que completam 45 anos.

Certificado de naturalização

Documento ou a cédula de identidade que tiver o número da portaria ministerial de naturalização respectiva e que for expedido pela Secretaria de Segurança Pública deve ser apresentado.

CPF

Esse documento é obrigatório para maiores de 18 anos e, no caso dos menores, são os CPFs dos responsáveis que devem ser mostrados. Esse registro pode ser apresentado caso estiver presente em carteira de identidade, CNH, passaporte anterior, carteira de trabalho ou outros comprovantes que tenham o número.

Carteira de identidade indígena

Para os índios, é preciso apresentar a carteira de identidade indígena. Para os que não tiverem esse registro é preciso levar uma declaração da Funai/MJ para comprovar a sua identificação. Para os que não foram integrados, é preciso que ele seja acompanhado de um representante da Funai autorizado.

Comprovante de pagamento da GRU

Ao final do agendamento, uma Guia de Recolhimento da União, a GRU, será emitida para o solicitante. Nesse caso, é preciso pagá-la antes de realizar o atendimento no dia agendado. Falaremos mais sobre esse comprovante em outro tópico.

Preencha o formulário online

Após conferir todo esse processo e certificar-se de que você está apto para solicitar o passaporte é preciso fazer o agendamento online. O processo é fácil, e você deve preencher o formulário de emissão de passaporte.

É importante lembrar que, durante o preenchimento online, serão solicitados os números dos seus registros e é imprescindível que você leve esse documento no dia do atendimento. Assim, se você está usando os dados da Carteira Nacional de Habilitação, você deve levá-la no dia marcado.

Caso você precise levar uma nova versão do documento ou outro documento, você não precisa preencher um novo formulário. Ao final do preenchimento, a GRU será emitida junto ao protocolo do procedimento.

Pague a taxa

O valor da emissão do passaporte atualmente é de R$ 257,25. É importante pagar a GRU no dia do vencimento, pois a etapa de agendamento é feita somente após a compensação desse pagamento.

O boleto pode ser pago em qualquer agência bancária ou lotérica. Se for necessário, você pode solicitar uma segunda via da GRU.

Realize o agendamento

Após a compensação do pagamento da taxa é importante realizar o agendamento do atendimento presencial em alguma das unidades da Polícia Federal. Marque no local e no horário em que você terá o acesso mais fácil, visto que a emissão e a retirada do passaporte devem ser feitas pelo próprio solicitante.

Se houver algum imprevisto, não precisa se desesperar. É possível reagendar o atendimento, porém, por questões relacionadas à segurança, é possível remarcar apenas duas vezes a cada 30 dias.

Compareça à unidade de atendimento

No dia em que o agendamento for marcado, é preciso que você compareça à unidade da Polícia Federal escolhida para realizar o procedimento. É importante levar toda a documentação mencionada no segundo item deste artigo em seu formato original.

Chegue com pelo menos 15 minutos de antecedência para evitar que o procedimento atrase. Nesse dia, os documentos serão analisados, as digitais serão coletadas e a foto do rosto para o documento será tirada.

Como o documento é emitido pela Casa da Moeda do Brasil, o prazo mínimo é de seis dias úteis, podendo variar de acordo com a localidade. É possível acompanhar o andamento da liberação do passaporte por meio da divisão de passaporte, no site da Polícia Federal. Em alguns casos, é possível que um e-mail seja enviado avisando que ele está pronto.

Retire o passaporte

Após a verificação de que ele está disponível, é preciso comparecer ao local de retirada sem agendamento prévio. O atendimento é feito por ordem de chegada e dentro do horário de funcionamento da unidade.

No ato de entrega, apenas o titular pode fazer a retirada mediante a apresentação de documento de identificação — de preferência os mesmos utilizados no dia da solicitação. Além disso, a assinatura do passaporte será coletada, e a digital, conferida.

O prazo para a retirada do passaporte é de até 90 dias. Após esse período, o documento será cancelado e não haverá reembolso da taxa paga.

Renove o passaporte

Quem já tiver um passaporte e precisar renovar o documento é preciso ficar atento a uma questão, o prazo de validade dele. Atualmente, os prazos variam de acordo com a idade das pessoas, sendo que:

  • de 0 a 1 ano, a validade é de 1 ano;
  • de 1 a 2 anos incompletos, a validade é de 2 anos;
  • de 2 a 3 anos incompletos, a validade é de 3 anos;
  • de 3 a 4 anos incompletos, a validade é de 4 anos;
  • de 4 a 18 anos incompletos, a validade é de 5 anos;
  • para os maios de 18, a validade é de 10 anos.

O procedimento de renovação é o mesmo para quem está solicitando pela primeira vez. Porém, caso você tenha um passaporte anterior ainda na validade é preciso levá-lo para ser cancelado e para que haja a emissão do novo. Caso o passaporte já tenha perdido a validade, a sua apresentação não é obrigatória.

É preciso ficar atento quanto à validade da documentação, pois cada país tem um acordo diferente com Brasil quanto à permanência das pessoas em seu território. Faça uma pesquisa antes de comprar as passagens aéreas.

Nos EUA e Reino Unido, é preciso que o passaporte seja válido durante o período da viagem. Para a Nova Zelândia, Panamá e os países da União Europeia é preciso que o passaporte tenha a validade de pelo menos mais três meses após a data de término da viagem.

Para quem for viajar para a Austrália, China, Índia, Irlanda, Japão, Marrocos, México, República Dominicana, Rússia, Tailândia, Turquia e Vietnã, o passaporte precisa ter a validade de pelo menos seis meses após o retorno da viagem. A Irlanda faz parte desta regra, pois, apesar de estar na União Europeia, o país não faz parte do Tratado de Schengen.

Se a viagem for feita para países da América do Sul, os brasileiros podem viajar apenas com a identidade. Porém, confira se é preciso alguma vacina específica para entrar em seu território.

Para solicitar o passaporte é preciso estar de acordo com todos esses requisitos. Há a exigência de uma grande quantidade de documentos e certificados, mas alguns podem ser acessados online. A partir do nosso conteúdo, é possível perceber que fazer o passaporte é algo fácil, mas trata-se de um procedimento que precisa ser feito e organizado com antecedência.

Após ter o principal documento em mãos, é hora de pensar na viagem. Agora que você já sabe como fazer o passaporte, que tal saber como planejar viagens corporativas? Então aproveite a sua visita no blog e leia este texto sobre as políticas de viagens internacionais.