Quando fazemos uma viagem, por mais que todo um planejamento seja feito, algum imprevisto pode ocorrer. Entre esses contratempos, pode surgir algum problema nos aeroportos que atrapalhe as viagens a trabalho.

Esses obstáculos podem se tornar um pesadelo para os viajantes, pois eles interferem diretamente no planejamento que foi feito, como os atrasos para reuniões. Quer saber quais são os maiores problemas nos aeroportos? Continue lendo este texto e confira sete deles.

Principais dificuldades encontradas pelos viajantes nos aeroportos

1. Grandes filas

Imagine você chegar no aeroporto com antecedência e mesmo assim perder o voo. Isso parece inacreditável, porém, é passível de acontecer devido à espera nas grandes filas, na hora de fazer o check-in ou passar no detector de metais.

É recomendado que os viajantes cheguem ao aeroporto com cerca de uma a duas horas de antecedência, para evitar contratempos. Para evitar as filas na hora de fazer o check-in, por exemplo, as empresas disponibilizam os totens para a realização do autocheck-in ou o check-in online.

Essas duas opções podem ser de grande ajuda para que as grandes filas sejam evitadas. Pois, elas são opções para quem não precisa do auxílio do atendimento pessoal. Além disso, você pode evitar o uso de cintos, joias, roupas ou sapatos que podem ser barrados no detector de metais para ser mais ágil.

2. Perda de voos com conexão

Em algumas viagens é preciso realizar uma conexão ou até mesmo a troca de aeronave para prosseguir com o itinerário. Em caso de mudar de avião, o viajante pode ter que esperar a hora de realizar o novo embarque. Nesses casos, é preciso ter muita atenção no horário de pegar o novo voo. Pois, você pode ficar esperando na sala e não perceber que já é preciso pegar o avião.

Em outros casos, pode ocorrer a troca de portão de embarque e pode-se levar um tempo para realizar esse deslocamento, promovendo um atraso ou a perda do voo. Para isso, preste bastante atenção para qualquer possível mudança, confira os horários e não deixe para se dirigir ao portão em cima da hora.

3. Cancelamento do voo

Esse são alguns problemas que geram muitas dores de cabeça para quem está viajando, pois eles interferem muito no planejamento dos viajantes. Quando o voo é cancelado por algum motivo de questão operacional, o passageiro tem direito a alguns auxílios que são oferecidos pela empresa, como alimentação, acomodação e dispor de formas de se comunicar com quem for preciso.

Essa assistência é oferecida de forma gradual e varia de acordo com o tempo de espera. É importante que você tenha o conhecimento do que é de direito do consumidor caso algum desses imprevistos ocorra.

4. Dificuldade em realizar o check-in

O check-in é o registro que você faz na empresa aérea para despachar a bagagem e confirmar a sua presença naquele voo. Por isso, qualquer problema que envolve essa questão pode resultar na perda da viagem. Como forma de agilizar esse processo, as empresas disponibilizam o check-in online ou o autoatendimento nos aeroportos. Para quem não tiver nenhum problema no sistema ou na conexão de internet, essas duas opções se mostram rápidas e sem grandes filas.

Quem não conseguir realizar o check-in em nenhuma dessas opções pode sempre recorrer a ajuda dos auxiliares da empresa aérea no aeroporto. Por isso, caso você tenha alguma dificuldade, chegue mais cedo para se certificar de que tudo seja feito com sucesso.

5. Problemas com documentação

Os documentos são a forma de você comprovar de que é mesmo o viajante para qual aquela passagem está reservada. Dessa forma, é importante que toda a sua documentação esteja dentro da validade.

Em viagens dentro do Brasil e para os países que compõe o Mercosul, apenas a carteira de identidade com o número do CPF já é o suficiente para realizar o embarque. No entanto, se o seu destino não corresponde aos que foram citados acima, outros documentos são necessários.

Para as viagens fora do Brasil, o passaporte é o seu único documento válido, por isso, verifique a sua validade. Além disso, alguns outros países, como Estados Unidos e Canadá é essencial retirar o visto para dar entrada em seu território e isso pode ser conseguido nas embaixadas por meio de uma solicitação. Em outros lugares, como os países que compõe a União Europeia, é possível viajar por no máximo três meses sem o visto.

É importante verificar se as suas vacinas também estão em dia. Por isso, fique atento para qual lugar você está indo e certifique-se de quem elas estão corretas. Para viajar com menores de 18 anos é importante levar a documentação e/ou a autorização assinada pelos pais.

6. Extravio de bagagem

Quando a bagagem é extraviada isso significa que ela não chegou no destino em que ela deveria estar. Isso pode gerar muita dor de cabeça para os viajantes, sendo assim, qualquer problema que você tiver com a sua bagagem deve ser comunicado à empresa por meio de um Relatório de Irregularidade de Bagagem, o RIB, que deve ser feito ainda no aeroporto.

Você também pode usar o serviço de atendimento ao cliente, o SAC, por meio do e-mail para realizar a reclamação. Caso a empresa não entregue a sua bagagem imediatamente, você tem direito a uma compensação financeira para adquirir os itens necessários. O valor varia de acordo com a rota, e você deve guardar os recibos e comprovantes do que for comprado.

7. Volume de ocupação do voo

Quando um determinado voo tem a ocupação inferior a 30%, as empresas aéreas podem realizar o seu cancelamento e juntar com um outro que sairá mais tarde. Dessa forma, os viajantes que se sentirem lesados podem solicitar o reembolso ou os auxílios de acomodação, alimentação e comunicação que essas empresas devem oferecer.

Em casos de voos lotados, o embarque e o desembarque podem ser mais demorados devido à quantidade de pessoas e bagagens que devem sair da aeronave. Isso pode resultar em atrasos devido ao tempo de espera que esses procedimentos tomam. 

Como vimos, o problema nos aeroportos podem ser de diversas naturezas, por isso, você deve ficar atento a eles para saber qual a melhor forma de se prevenir e solucioná-los.

Quer saber mais sobre esse assunto? Então, leia nosso texto sobre a mobilidade em viagens corporativas!